Um filme português

Os Estaleiros Navais de Viana do Castelo terão que reduzir 380 postos de trabalho. Mas como realizar essa tarefa? Por enquanto, o ministro da Defesa nada nos diz.

29.07.2011 00:30

Mas a comissão de trabalhadores vai falando por ele: segundo o jornal ‘i', a comissão elaborou um ‘manual de instruções' onde aconselha os administradores a evitarem certas acções incendiárias. Como, por exemplo, frequentar o refeitório. Ou caminhar por determinadas zonas da empresa. Sem falar de insultos óbvios, como rir ou até sorrir, uma insanidade que pode implicar a perda imediata da dentadura.

Confrontada com este cenário, a comissão foi rápida a negá-lo. Mas eu, por via das dúvidas, não o descartava tão depressa. Se virmos bem, o ‘manual de instruções' tem todos os condimentos para um bom filme prisional - o refeitório perigoso; o pátio violento; o sorrisinho provocatório que inicia a pancadaria geral. Se os Estaleiros não dão lucro a fazer barcos, talvez o caminho passe mesmo por fazer fitas.

Enviar o artigo: Um filme português
Comentários
enviar
MAIS OPINIÕES DE Opinião