jornal impresso

Edição impressa

02 Agosto 2014

Ver capas anteriores

Previsões
  • Diretor: Octávio Ribeiro
  • Diretores-adjuntos: Armando Esteves Pereira, Eduardo Dâmaso e Carlos Rodrigues
Nuno André Ferreira

Ontem foi o primeiro dia de chuvadas de norte a sul do País, num Outono que se mantém quente

Meteorologia: Tempestade tropical que se formou no domingo perde força

‘Grace’ traz vento e chuva até sexta

A chuva e os ventos fortes que têm fustigado Portugal Continental são consequência da tempestade tropical ‘Grace’, formada este domingo ao largo dos Açores. Segundo as previsões do Instituto de Meteorologia, o mau tempo irá prolongar-se até sexta-feira, com períodos de céu muito nublado e aguaceiros fortes.

Por:André Pereira / A.S.C. / B.E.

 

Inicialmente os ventos sopravam a 100 quilómetros por hora, mas anteontem o último alerta do Centro Nacional de Furacões de Miami, nos Estados Unidos, dava conta de que ‘Grace’ estava a perder velocidade, encontrando-se nos 85 km/h. As últimas previsões acrescentam que os restos da tempestade tropical estão a dirigir-se para o Nordeste de França.

'Quase que se transformava num furacão de fraca intensidade. A tempestade tropical ‘Grace’ começou a formar-se junto aos Açores e rapidamente evoluiu. Alargou e aumentou de tamanho, mas perdeu intensidade', explicou ao CM o meteorologista Anthímeo de Azevedo, para quem Outubro começou um pouco mais quente do que é normal: 'É a sensação com que fiquei face aos primeiros dias, com muito sol e pouco frio. Mas agora, com a tempestade tropical ‘Grace’, a situação alterou--se. Vamos aguardar.'

Segundo o Instituto de Meteorologia, o céu apresenta-se hoje muito nublado, com aguaceiros fortes acompanhados de trovoadas. Nas terras altas o vento será forte, podendo ocorrer rajadas da ordem dos 80 quilómetros por hora. Amanhã, o mau tempo vai continuar. Se durante a manhã o céu vai esta carregado, o cenário começa a alterar-se a partir da tarde. O vento irá diminuir de intensidade, com velocidades inferiores a 15 quilómetros por hora.

Na sexta-feira, as condições meteorológicas começam a inverter-se, mas os raios de sol vão continuar a ter dificuldades em furar as nuvens. A norte do Cabo Carvoeiro, na região de Peniche, o céu apresentar-se-á muito nublado e os períodos de chuva fraca vão ser acompanhados por vento fraco.

PORMENORES

FURACÃO

A época dos furacões é de 1 de Junho a 30 de Novembro. Um furacão temcinco categorias, indexadas à força dos ventos.

CATEGORIAS

O furacão de categoria 1 tem ventos superiores a 120 km/h.Os de nível 5 superam os 250. As tempestades tropicais vão dos 63 aos 119 km/h.

NOMES

Desde 1953 queas tempestades no Atlântico recebem nomes atribuídos pelo comité da Organização Mundial de Meteorologia.

FIM-DE-SEMANA DE ELEIÇÕES COM BOM TEMPO

Em fim-de-semana de eleições autárquicas, São Pedro parece estar disposto a não desmotivar os portugueses, deixando de lado a chuva e os ventos fortes. As previsões do Instituto de Meteorologia apontam para um sábado com céu pouco nublado ou limpo, acompanhado de uma subida da temperatura nas regiões do Interior Centro e Sul. Para domingo, a tendência deverá manter-se. Com estas condições meteorológicas, os portugueses não terão argumentos para não votar.

QUEDA DE PRÉDIO NO PORTO

Terá sido o clima a principal causa da derrocada de um prédio devoluto da rua Formosa, na Baixa do Porto, anteontem, às 23h00. O antigo armazém têxtil já estava abandonado há 15 anos, mas terá sido o desgaste decorrente das mudanças meteorológicas dos últimos dias a impulsionar a queda.

A derrocada de parte da fachada do prédio, que estava à espera de ser reabilitado, não provocou feridos, mas foi o suficiente para relançar a questão do abandono de edifícios antigos na cidade. Os vizinhos assumem que poderia ter ocorrido uma tragédia se a derrocada não tivesse acontecido àquela hora da noite e num feriado.

'Estava a fumar à janela de minha casa, que fica em frente ao prédio, quando começo a ouvir estalidos. Em cinco segundos a casa parece que engorda por dentro e por fora e cai para a rua', descreve Abdelha Bouazza, testemunha da derrocada.

'É terrível. Não pode imaginar. Todo o bairro tremeu. Na rua aqui ao lado pensaram que era trovoada. Pensei que era um terramoto porque a minha casa também tremia. Se houvesse pessoas lá dentro não tinham tido tempo para fugir', continua a contar, ainda incrédulo.

Momentos antes da queda, um carro passava na rua. O pó que já pairava no ar fez com que o condutor abrandasse e fizesse marcha-atrás. Acabou por ver as pedras maiores, que pesam toneladas, a caírem na rua, mesmo à frente da viatura.

Os vizinhos não se conformam com o sucedido. Agora temem que situações destas se repitam. 

LENÇOL-DE-ÁGUA FAZ DESPISTAR AMBULÂNCIA

O despiste de uma ambulância dos Bombeiros de Soure provocou ontem, em Taveiro, Coimbra, ferimentos na doente que transportava e num tripulante. O acidente ocorreu às 14h44, quando o veículo regressava ao lar de idosos de Vila Nova de Anços depois de transportar a mulher, de 82 anos, ao Hospital dos Covões. O motorista terá perdido o controlo da viatura num lençol-de-água, acabando por se despistar. As vítimas foram transportadas para o Hospital dos Covões.

PRECIPITAÇÃO BEM-VINDA POR CAUSA DA SECA

A chuva que agora começa a cair é bem-vinda, uma vez que no final do Verão 96 por cento do território de Portugal Continental estava em situação de seca meteorológica. Adérito Serrão, presidente do Instituto de Meteorologia, considera que a seca foi consequência de uma Primavera quente e com menos chuva e de um Verão também com temperaturas acima da média. 'Não é ainda uma situação que podemos antecipar como muito difícil. Tudo depende agora da precipitação do Outono e Inverno', disse à Lusa o responsável máximo doInstituto de Meteorologia. No finaldo Verão, 34 por cento do território estava em situação de seca severa, 37 por cento em seca moderada e25 por cento em seca fraca.

NOTAS

VENTO: RAJADA MAIOR EM 1941

A maior rajada de vento registada em Portugal foi de 167 km/hora, na serra do Pilar, V. N. Gaia, em 1941. O maior valor de precipitação em 24 horas foi de 220 mm, nas Penhas da Saúde em 1977

TORRES NOVAS: DESABAMENTO

O desabamento do telhado de uma casa, provocado pelo mau tempo, deixou ontem desalojadas quatro pessoas, em Torres Novas, informou o Comando Distrital de Operações de Socorro

CENTRO: INUNDAÇÕES

A queda de chuva forte registada ao final datarde de ontem provocou pequenas inundações na região Centro, nos concelhos de Alcobaça,Batalha, Bombarral, Figueira da Foz e Pombal

  • Corrigir
  • Feedback
  • PARTILHAR      
Pub
Comentários a esta notícia
COMENTAR
Título
Texto

Nota: Os comentários deste site são publicados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. O Correio da Manhã reserva-se ao direito de apagar os comentários abusivos e com linguagem inadequada.

Aparecer como anónimo - Ao escolher opção os seus dados (nome e e-mail) serão ocultados.

Registe-se no site do CM para deixar de preencher os seus dados pessoais quando comenta as noticias.
COMENTAR
Título
Texto
Nome
Email
Localidade
Anónimo

Nota: Os comentários deste site são publicados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. O Correio da Manhã reserva-se ao direito de apagar os comentários abusivos e com linguagem inadequada.

Aparecer como anónimo - Ao escolher opção os seus dados (nome e e-mail) serão ocultados.

Pub
Pub


SONDAGEM

COMISSÁRIO EUROPEU: Carlos Moedas tem o perfil certo?

Votar »« Ver resultados


<>
VEJA AQUI MAPA ACTUALIZADO
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados. É expressamente proíbida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte,
sem prévia permissão por escrito da Presslivre, S.A. ,
uma empresa Cofina Media - Grupo Cofina.
Consulte as condições legais de utilização.