SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER

Foto direitos reservados
Polícia brasileira tem poucas pistas relativas ao homicídio de Rosalina
A notícia foi guardada na sua lista de notícias favoritas. Faça a gestão dessa área na sua conta.
09.08.2010  00:30
Silêncio cobre morte de Rosalina
Ex-deputado explica ao CM que foi o próprio a contactar a polícia do Rio
  • Partilhe

Uma cortina de silêncio cobre a morte da portuguesa Rosalina Silva Cardoso Ribeiro, assassinada aos 74 anos, a 7 de Dezembro do ano passado, em Saquarema, litoral do Rio de Janeiro. Companheira durante três décadas do milionário português Lúcio Tomé Feteira, que morreu em 2000, Rosalina disputava na justiça a fortuna deixada pelo empresário, de que se tornara amante em 1967.

Segundo a polícia do Rio de Janeiro, Rosalina foi executada com dois tiros à queima-roupa, um na testa e outro no peito, em Saquarema, a 90 km da capital carioca, duas horas depois de ter saído de casa – foi filmada pela videovigilância (ver imagens em cima) –, situada na praia do Flamengo, zona Sul do Rio, para se encontrar com Duarte Lima, que tinha ido ao Brasil a pedido da própria Rosalina, cujos interesses o conhecido advogado e ex-deputado defendia em Portugal.

O corpo de Rosalina foi encontrado no dia seguinte, numa estrada onde costumam ser abandonados carros roubados. Sem identificação, só foi reconhecida duas semanas depois. A pasta com documentos que carregava ao sair de casa desapareceu, mas quem a matou não ligou ao valioso relógio, anéis e brincos, o que afasta a hipótese de assalto.



Siga o CM no Facebook.

Enviar o artigo: Silêncio cobre morte de Rosalina
Comentários
enviar
Receba diariamente as principais notícias ok
voltar ao topo