Foto D.R.
Renato Seabra, Carlos Castro e uma amiga durante a fatídica viagem a Nova Iorque
A notícia foi guardada na sua lista de notícias favoritas. Faça a gestão dessa área na sua conta.
21.12.2012  18:33
Renato Seabra: "Só Deus sabe o que aconteceu naquele dia"
O aspirante a modelo Renato Seabra assumiu a culpa pelo homicídio de Carlos Castro, cometido na suite de luxo de um hotel de Nova Iorque a 7 de Janeiro de 2011, antes de ouvir que irá cumprir entre 25 anos e prisão perpétua. "Algo se apoderou de mim quando entrei no quarto. Não percebo como tudo aconteceu e nem sequer a razão. Só Deus sabe o que aconteceu naquele dia", disse, falando em português, com as mãos algemadas atrás das costas e sem conseguir encarar o juiz Daniel FitzGerald do Tribunal Superior de Manhattan.

Segundo o 'New York Post', jornal norte-americano que acompanhou o julgamento, Seabra pediu desculpa aos familiares e amigos de Carlos Castro, garantindo que nunca antes tinha sido agressivo com o cronista social, com quem mantinha uma relação amorosa e que o tinha levado para Nova Iorque para a passagem de ano.

Nada impressionado com essas palavras, o juiz Daniel FitzGerald aplicou a pena mais pesada, que implica um mínimo de 25 anos na cadeia antes de o caso poder ser reavaliado. O choro da mãe de Renato Seabra, Odília Pereirinha, foi então ouvido na sala de audiências nova-iorquina.

"A forma como uma discussão se transformou em fúria é um exemplo arrepiante da falta de Humanidade entre dois homens. Houve extrema brutalidade, sadismo e actos desumanos", disse o juiz.

Enquanto isso, o advogado de defesa, David Touger, disse que não sabe como o cliente cometeu o crime, que incluiu um prolongado espancamento e a mutilação genital de Carlos Castro, cujos testículos foram cortados com um saca-rolhas. "Ele não parece ter isso dentro de si", afirmou, referindo-se à falta de antecedentes criminais do jovem.

Enviar o artigo: Renato Seabra: "Só Deus sabe o que aconteceu naquele dia"
Comentários
enviar
MAIS NOTÍCIAS DE Cm ao Minuto