jornal impresso

Edição impressa

28 Julho 2014

Ver capas anteriores

Previsões
  • Diretor: Octávio Ribeiro
  • Diretores-adjuntos: Armando Esteves Pereira, Eduardo Dâmaso e Carlos Rodrigues
José Sena Goulão/Lusa

"Não faz sentido que estes beneficiários não estejam inscritos nos centros de emprego, que é quem promove a inserção profissional quer a formação profissional", sustentou Pedro Mota Soares

Anúncio do ministro da Solidariedade e Segurança Social

Novo RSI implica obrigações para todo o agregado

A atribuição do Rendimento Social de Inserção (RSI) vai passar pela assinatura de um contrato anual, com obrigações que envolvem todos os membros do agregado familiar beneficiário, indicou nesta quinta-feira o ministro da Solidariedade e Segurança Social.

 

"Sendo a prestação do RSI uma prestação a um agregado familiar, o contrato deve incluir também obrigações e responsabilidades para todos os membros do agregado familiar", indicou o governante na conferência de imprensa no final da reunião do Conselho de Ministros.

As alterações introduzidas ao RSI levam o Governo a estimar que cerca de 60 mil beneficiários do subsídio que têm idade e capacidade activa para o trabalho passarão a estar inscritos nos centros de emprego.

"Não faz sentido que estes beneficiários não estejam inscritos nos centros de emprego, que é quem promove a inserção profissional quer a formação profissional", sustentou Pedro Mota Soares.

O futuro regime do RSI passa a atribuir, para além dos direitos inerentes à prestação, também "deveres", consagrados num contrato anual de inserção que passa a ser assinado entre o Estado e os beneficiários.

Saúde ou a escolaridade dos filhos, deveres de procura activa de trabalho, prestação de trabalho socialmente necessário ou actividades úteis à comunidade passam a estar incluídas nos deveres a que o agregado familiar beneficiário vai passar a estar sujeito.

O contrato de inserção terá uma duração de 12 meses. "Se no fim deste prazo, o beneficiário quiser continuar a auferir desta prestação, tem de apresentar um novo requerimento, tem de apresentar novamente os seus rendimentos e tem de fazer um novo contrato de inserção, mais adequado à sua realidade", explicou Mota Soares.

 

 1 de 2|Seguinte Ver texto completo
  • Corrigir
  • Feedback
  • PARTILHAR      
Pub
Comentários a esta notícia
  • Comentário feito por:Catarina
  • 13 Abril 2012

É de lamentar que venham a publico dizer que estas são as novas regras se sempre se trabalhou assim. A unica coisa nova mas que não é aplicada é a suspensão da prestação no caso de ameaça por parte do titular/agregado.

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 13 Abril 2012

E os homens que vão gastar o dinheiro do RSI em casas de alterne deviam ser castigados devia ser cortado imediatamente vão trabalhar ou então vão chular outros.

  • Comentário feito por:ze do povo
  • 12 Abril 2012

Até que enfim se vê alguma medida concreta(?). Dá raiva ver os beneficiários irem todos os dias tomar o pequeno almoço ao café (e depois o café a seguir ao almoço) enquanto os "parvos" tem que madrugar para ir trabalhar.

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 12 Abril 2012

GOSTEI DESTA NOTICIA,mas ainda há mais para fiscalizar, já somos poucos a trabalhar,para pagar a quem nunca começou a trabalhar os toxiospendentes também tem subsidio e não comem não se curam e andam a roubareuseiodigo

  • Comentário feito por:Fernando
  • 12 Abril 2012

E os filhos que destroem as escolas e agridem os professores também vão ter isso em conta?? Eu pago tudo aos meus filhos e vou ao mais barato, os do RSI andam com tennis de 100$ e com boas marcas, podem gastar assim?

  • Comentário feito por:Américo
  • 12 Abril 2012

Acabou-se o Rendimento Social de Imobilização e começou o verdadeiro Rendimento Social de Inserção. Andávamos a trabalhar para os outros ficarem em casa ou nos cafés.

  • Comentário feito por:antonio farinha
  • 12 Abril 2012

o problema não é por essa gente a trabalhar, é e será sempre quem fiscaliza.Prestar ajuda comunitária é facil, basta conhecer uma associação e oferecer os nossos pretimos de borla, que eles agradecem em tempos de crise.

  • Comentário feito por:cabrita
  • 12 Abril 2012

há muitos a receber e a trabalha por fora.batam-lhes à porta.

  • Comentário feito por:antonio
  • 12 Abril 2012

As prostitutas e os traficantes passam recibo?

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 12 Abril 2012

o rendimento mínimo tornou-se uma fraude exercida por muitos que nunca esteve na sua génese o interesse pelo trabalho.E não sentem o mínimo pudor,tendo bom corpo para para o fazer,em viver à conta do trabalho dos outros.

Página

  • Comentário feito por:Carlota
  • 12 Abril 2012

Acabem com o Rendimento Minimo e distribuam o dinheiro pelas pensões miseráveis que muitos velhotes recebem, apesar de terem trabalhado toda a vida. Era mais justo.

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 12 Abril 2012

FINALMENTE ALGUÉM ABRIU A CAIXA DE PANDORA,E VAI POR ESTA MALTA A TRABALHAR OBRIGADO SR. MINISTRO SÓ PECA POR SER TARDE.

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 12 Abril 2012

o rendimento mínimo tornou-se uma fraude exercida por muitos que nunca esteve na sua génese o interesse pelo trabalho.E não sentem o mínimo pudor,tendo bom corpo para para o fazer,em viver à conta do trabalho dos outros.

  • Comentário feito por:antonio
  • 12 Abril 2012

As prostitutas e os traficantes passam recibo?

  • Comentário feito por:cabrita
  • 12 Abril 2012

há muitos a receber e a trabalha por fora.batam-lhes à porta.

  • Comentário feito por:antonio farinha
  • 12 Abril 2012

o problema não é por essa gente a trabalhar, é e será sempre quem fiscaliza.Prestar ajuda comunitária é facil, basta conhecer uma associação e oferecer os nossos pretimos de borla, que eles agradecem em tempos de crise.

  • Comentário feito por:Américo
  • 12 Abril 2012

Acabou-se o Rendimento Social de Imobilização e começou o verdadeiro Rendimento Social de Inserção. Andávamos a trabalhar para os outros ficarem em casa ou nos cafés.

  • Comentário feito por:Fernando
  • 12 Abril 2012

E os filhos que destroem as escolas e agridem os professores também vão ter isso em conta?? Eu pago tudo aos meus filhos e vou ao mais barato, os do RSI andam com tennis de 100$ e com boas marcas, podem gastar assim?

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 12 Abril 2012

GOSTEI DESTA NOTICIA,mas ainda há mais para fiscalizar, já somos poucos a trabalhar,para pagar a quem nunca começou a trabalhar os toxiospendentes também tem subsidio e não comem não se curam e andam a roubareuseiodigo

  • Comentário feito por:ze do povo
  • 12 Abril 2012

Até que enfim se vê alguma medida concreta(?). Dá raiva ver os beneficiários irem todos os dias tomar o pequeno almoço ao café (e depois o café a seguir ao almoço) enquanto os "parvos" tem que madrugar para ir trabalhar.

  • Comentário feito por:Fernando
  • 12 Abril 2012

E os filhos que destroem as escolas e agridem os professores também vão ter isso em conta?? Eu pago tudo aos meus filhos e vou ao mais barato, os do RSI andam com tennis de 100$ e com boas marcas, podem gastar assim?

  • Comentário feito por:cabrita
  • 12 Abril 2012

há muitos a receber e a trabalha por fora.batam-lhes à porta.

  • Comentário feito por:ze do povo
  • 12 Abril 2012

Até que enfim se vê alguma medida concreta(?). Dá raiva ver os beneficiários irem todos os dias tomar o pequeno almoço ao café (e depois o café a seguir ao almoço) enquanto os "parvos" tem que madrugar para ir trabalhar.

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 12 Abril 2012

GOSTEI DESTA NOTICIA,mas ainda há mais para fiscalizar, já somos poucos a trabalhar,para pagar a quem nunca começou a trabalhar os toxiospendentes também tem subsidio e não comem não se curam e andam a roubareuseiodigo

  • Comentário feito por:Américo
  • 12 Abril 2012

Acabou-se o Rendimento Social de Imobilização e começou o verdadeiro Rendimento Social de Inserção. Andávamos a trabalhar para os outros ficarem em casa ou nos cafés.

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 12 Abril 2012

o rendimento mínimo tornou-se uma fraude exercida por muitos que nunca esteve na sua génese o interesse pelo trabalho.E não sentem o mínimo pudor,tendo bom corpo para para o fazer,em viver à conta do trabalho dos outros.

  • Comentário feito por:Carlota
  • 12 Abril 2012

Acabem com o Rendimento Minimo e distribuam o dinheiro pelas pensões miseráveis que muitos velhotes recebem, apesar de terem trabalhado toda a vida. Era mais justo.

  • Comentário feito por:antonio farinha
  • 12 Abril 2012

o problema não é por essa gente a trabalhar, é e será sempre quem fiscaliza.Prestar ajuda comunitária é facil, basta conhecer uma associação e oferecer os nossos pretimos de borla, que eles agradecem em tempos de crise.

  • Comentário feito por:antonio
  • 12 Abril 2012

As prostitutas e os traficantes passam recibo?

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 12 Abril 2012

FINALMENTE ALGUÉM ABRIU A CAIXA DE PANDORA,E VAI POR ESTA MALTA A TRABALHAR OBRIGADO SR. MINISTRO SÓ PECA POR SER TARDE.

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 13 Abril 2012

E os homens que vão gastar o dinheiro do RSI em casas de alterne deviam ser castigados devia ser cortado imediatamente vão trabalhar ou então vão chular outros.

  • Comentário feito por:Catarina
  • 13 Abril 2012

É de lamentar que venham a publico dizer que estas são as novas regras se sempre se trabalhou assim. A unica coisa nova mas que não é aplicada é a suspensão da prestação no caso de ameaça por parte do titular/agregado.

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 12 Abril 2012

FINALMENTE ALGUÉM ABRIU A CAIXA DE PANDORA,E VAI POR ESTA MALTA A TRABALHAR OBRIGADO SR. MINISTRO SÓ PECA POR SER TARDE.

  • Comentário feito por:antonio farinha
  • 12 Abril 2012

o problema não é por essa gente a trabalhar, é e será sempre quem fiscaliza.Prestar ajuda comunitária é facil, basta conhecer uma associação e oferecer os nossos pretimos de borla, que eles agradecem em tempos de crise.

  • Comentário feito por:antonio
  • 12 Abril 2012

As prostitutas e os traficantes passam recibo?

  • Comentário feito por: Anónimo
  • 12 Abril 2012

o rendimento mínimo tornou-se uma fraude exercida por muitos que nunca esteve na sua génese o interesse pelo trabalho.E não sentem o mínimo pudor,tendo bom corpo para para o fazer,em viver à conta do trabalho dos outros.

  • Comentário feito por:Carlota
  • 12 Abril 2012

Acabem com o Rendimento Minimo e distribuam o dinheiro pelas pensões miseráveis que muitos velhotes recebem, apesar de terem trabalhado toda a vida. Era mais justo.

  • Comentário feito por:cabrita
  • 12 Abril 2012

há muitos a receber e a trabalha por fora.batam-lhes à porta.

  • Comentário feito por:Fernando
  • 12 Abril 2012

E os filhos que destroem as escolas e agridem os professores também vão ter isso em conta?? Eu pago tudo aos meus filhos e vou ao mais barato, os do RSI andam com tennis de 100$ e com boas marcas, podem gastar assim?

  • Comentário feito por:ze do povo
  • 12 Abril 2012

Até que enfim se vê alguma medida concreta(?). Dá raiva ver os beneficiários irem todos os dias tomar o pequeno almoço ao café (e depois o café a seguir ao almoço) enquanto os "parvos" tem que madrugar para ir trabalhar.

COMENTAR
Título
Texto

Nota: Os comentários deste site são publicados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. O Correio da Manhã reserva-se ao direito de apagar os comentários abusivos e com linguagem inadequada.

Aparecer como anónimo - Ao escolher opção os seus dados (nome e e-mail) serão ocultados.

Registe-se no site do CM para deixar de preencher os seus dados pessoais quando comenta as noticias.
COMENTAR
Título
Texto
Nome
Email
Localidade
Anónimo

Nota: Os comentários deste site são publicados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. O Correio da Manhã reserva-se ao direito de apagar os comentários abusivos e com linguagem inadequada.

Aparecer como anónimo - Ao escolher opção os seus dados (nome e e-mail) serão ocultados.

Pub
Pub


SONDAGEM

MADEIRA: Alberto João Jardim ainda tem peso no partido?

Votar »« Ver resultados


<>
VEJA AQUI MAPA ACTUALIZADO
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados. É expressamente proíbida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte,
sem prévia permissão por escrito da Presslivre, S.A. ,
uma empresa Cofina Media - Grupo Cofina.
Consulte as condições legais de utilização.