jornal impresso

Edição impressa

18 Abril 2014

Ver capas anteriores

  • Diretor: Octávio Ribeiro
  • Diretores-adjuntos: Armando Esteves Pereira, Eduardo Dâmaso e Carlos Rodrigues
Bruno Colaço

O filósofo Eduardo Lourenço fotografado no Centro Cultural de Belém, esta quinta-feira

Na primeira conferência do ciclo Ler em Voz Alta

Eduardo Lourenço: “Sou um leitor compulsivo”

Se o toque de um telemóvel perturbou por momentos a conferência que Eduardo Lourenço proferiu ao final da tarde de quinta-feira, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, não há que acusar ninguém: foi o do próprio filósofo a reclamar atenção. De resto, tudo foi sereno numa sessão que decorreu em registo confessional e que inaugurou o ciclo de conferências ‘Ler em Voz Alta’, promovido pela revista ‘Ler’ pelos seus 25 anos de vida.

  • 21 de Setembro 2012, 01h00
  • Nº de votos (1)
  • Comentários (0)

Por:A.M.R.

 

Ao lado de João Pombeiro, director da revista, e frente ao secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, o filósofo disse-se um leitor compulsivo e os livros “a imagem sacralizada do mistério da vida”.

“Não nasci em berço de ouro e não tinha biblioteca em casa, mas quando descobri os livros tornei-me naquilo que sou hoje: um leitor compulsivo”, contou Eduardo Lourenço a uma sala praticamente cheia. “O meu pai, que tinha alguma instrução, tinha já a paixão dos livros e deixou uma mala com alguns. Nela descobri um autor que se podia ler na escola, o Júlio Dinis, um dos grandes do século XIX. Foi a Jane Austen que nós não tivemos.”

Falando de autores que o marcaram, referiu os outros dois “grandes”: Garrett e Camilo Castelo Branco, mas também Fortunato de Almeida.

“Os livros são uma espécie de esfinge que nós criámos e que temos de decifrar, sob pena de permanecer ignorante dos grandes mistérios: Quem somos? De onde vimos? Para onde vamos?”

Referindo-se ao conflito entre o mundo ocidental e o mundo oriental, Eduardo Lourenço explicou-o também do ponto de vista dos livros – enquanto a luta de dois livros santos.

“O Ocidente já não luta pelo seu livro – algo que eu não posso lamentar, porque a Inquisição fez mortes suficientes. Mas há que reconhecer que há nisto alguma impotência…”

Pub
Comentários a esta notícia
COMENTAR
Título
Texto

Nota: Os comentários deste site são publicados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. O Correio da Manhã reserva-se ao direito de apagar os comentários abusivos e com linguagem inadequada.

Aparecer como anónimo - Ao escolher opção os seus dados (nome e e-mail) serão ocultados.

LOGIN
Utilizador
Password

Esqueceu-se da palavra-chave?

Registe-se


Registe-se no site do CM para deixar de preencher os seus dados pessoais quando comenta as noticias.

COMENTAR
Título
Texto
Nome
Email
Localidade
Anónimo

Nota: Os comentários deste site são publicados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. O Correio da Manhã reserva-se ao direito de apagar os comentários abusivos e com linguagem inadequada.

Aparecer como anónimo - Ao escolher opção os seus dados (nome e e-mail) serão ocultados.

Pub
Pub


SONDAGEM

SONDAGENS: PSD/CDS (33,7%) vai recuperar terreno para PS (40,9%)?

Votar »« Ver resultados


<>
VEJA AQUI MAPA ACTUALIZADO
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados. É expressamente proíbida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte,
sem prévia permissão por escrito da Presslivre, S.A. ,
uma empresa Cofina Media - Grupo Cofina.
Consulte as condições legais de utilização.