jornal impresso

Edição impressa

20 Abril 2014

Ver capas anteriores

  • Diretor: Octávio Ribeiro
  • Diretores-adjuntos: Armando Esteves Pereira, Eduardo Dâmaso e Carlos Rodrigues

Moçambique - medicina tradicional ajuda luta contra pandemia

BATATA AFRICANA CONTRA SIDA

A batata 'hypoxis', vulgarmente conhecida por batata africana, um tubérculo selvagem nativo de Moçambique, está a ser usada com bastante sucesso no tratamento da sida em grande parte da África Austral, incluindo na África do Sul, onde estão já a ser produzidos comprimidos a partir daquel tubérculo.

Por:Sérgio Azenha, Moçambique/Enviado Especial

 

Nascido espontaneamente em praticamente todo o território moçambicano e devido ao sucesso clínico e à sua crescente procura, o referido tubérculo está agora a ser objecto da maior atenção por parte das autoridades nomeadamente no Instituto Nacional de Investigação Agrária (INIA) de Moçambique, onde está a ser levado a cabo um estudo cinetífico.
A batata africana é usada com fins medicinais há muito tempo em Moçambique, um país que dispõe de uma enorme variedade de plantas medicinais. Mas só nos últimos três anos foram descobertos os seus benefícios no tratamento da sida.
MÉTODOS SIMPLES
A sua utilização no tratamento desta doença é muito simples: "a batata é seca e enfarinhada e toma-se uma colher de sopa de manhã, há tarde e à noite. Ou então é fervida em água, retira-se a batata e bebe-se a água três vezes ao dia" - explicou Mário Calano da Silva, vice-presidente do INIA, durante a visita de um grupo de empresários portugueses às instalações daquele Instituto, nos arredores da capital, Maputo. A visita decorreu no âmbito de uma missão empresarial a Moçambique, organizada pela Câmara de Agricultura Lusófona (CAL).
Os resultados deste tratamento têm sido surpreendentes, com "muitos efeitos secundários da doença a desaparecerem, como os furúnculos e as manchas" - sublinhou o responsável da INIA.
Aliás, devido ao êxito do tratamento, a África do Sul, um país que se debate com o terrível flagelo da infecção com o VIH, já está a produzir comprimidos à base da batata africana.
Mas o sucesso do tratamento clínico da sida com a batata africana é também importante para Moçambique, uma vez que, segundo dados oficiais, 13 por cento dos seus 14 milhões de habitantes estão infectados com a doença. E, mais grave ainda, 300 mil crianças estão também infectadas com o VIH.
Em Moçambique existem pelo menos 5692 espécies de vegetação, algumas das quais em risco de extinção. Com tamanha diversidade de flora, não admira que cerca de 80 por cento da população do país utilize ainda a medicina tradicional nos cuidados de saúde.
  • Corrigir
  • Feedback
  • PARTILHAR      
Pub
Comentários a esta notícia
  • Comentário feito por:Victor C
  • 10 Março 2004

Pena que a notícia não entre no campo técnico dos nutrientes deste tubérculo, para ficarmos a saber o porquê dos resultados positivos. Ao sr.Luis Magaço, que está tão escandalizado com a palavra "selvagem" escrita no artigo, ela apenas quer dizer que esta batata nasce cresce espontâneamente, sem a mão do homem.É só uma questão de português!

  • Comentário feito por:mll
  • 10 Março 2004

Investiguem, investiguem, mas CUIDADO, para não estragarem o que a Natureza dá. LEMBREM-SE de que a Natureza é MÃE, mas pode ser "madrasta" se não for acautelada.
Mirandela

  • Comentário feito por:Luis Magaço
  • 10 Março 2004

Meus senhores, retirem a palavra "selvagem". Se fosse batata europeia, também seria selvagam?

  • Comentário feito por:vicguerr
  • 10 Março 2004

Com a especulação criminosa que as indústrias farmacêuticas fazem dos seus medicamentos, sabendo de antemão que as pessoas não têm alternativa entre pagar ou morrer mais cedo, até era bem feito que isto resultasse com xarope de batata.

  • Comentário feito por:vicguerr
  • 10 Março 2004

Com a especulação criminosa que as indústrias farmacêuticas fazem dos seus medicamentos, sabendo de antemão que as pessoas não têm alternativa entre pagar ou morrer mais cedo, até era bem feito que isto resultasse com xarope de batata.

  • Comentário feito por:Luis Magaço
  • 10 Março 2004

Meus senhores, retirem a palavra "selvagem". Se fosse batata europeia, também seria selvagam?

  • Comentário feito por:mll
  • 10 Março 2004

Investiguem, investiguem, mas CUIDADO, para não estragarem o que a Natureza dá. LEMBREM-SE de que a Natureza é MÃE, mas pode ser "madrasta" se não for acautelada.
Mirandela

  • Comentário feito por:Victor C
  • 10 Março 2004

Pena que a notícia não entre no campo técnico dos nutrientes deste tubérculo, para ficarmos a saber o porquê dos resultados positivos. Ao sr.Luis Magaço, que está tão escandalizado com a palavra "selvagem" escrita no artigo, ela apenas quer dizer que esta batata nasce cresce espontâneamente, sem a mão do homem.É só uma questão de português!

  • Comentário feito por:vicguerr
  • 10 Março 2004

Com a especulação criminosa que as indústrias farmacêuticas fazem dos seus medicamentos, sabendo de antemão que as pessoas não têm alternativa entre pagar ou morrer mais cedo, até era bem feito que isto resultasse com xarope de batata.

  • Comentário feito por:Luis Magaço
  • 10 Março 2004

Meus senhores, retirem a palavra "selvagem". Se fosse batata europeia, também seria selvagam?

  • Comentário feito por:mll
  • 10 Março 2004

Investiguem, investiguem, mas CUIDADO, para não estragarem o que a Natureza dá. LEMBREM-SE de que a Natureza é MÃE, mas pode ser "madrasta" se não for acautelada.
Mirandela

  • Comentário feito por:Victor C
  • 10 Março 2004

Pena que a notícia não entre no campo técnico dos nutrientes deste tubérculo, para ficarmos a saber o porquê dos resultados positivos. Ao sr.Luis Magaço, que está tão escandalizado com a palavra "selvagem" escrita no artigo, ela apenas quer dizer que esta batata nasce cresce espontâneamente, sem a mão do homem.É só uma questão de português!

  • Comentário feito por:vicguerr
  • 10 Março 2004

Com a especulação criminosa que as indústrias farmacêuticas fazem dos seus medicamentos, sabendo de antemão que as pessoas não têm alternativa entre pagar ou morrer mais cedo, até era bem feito que isto resultasse com xarope de batata.

  • Comentário feito por:Luis Magaço
  • 10 Março 2004

Meus senhores, retirem a palavra "selvagem". Se fosse batata europeia, também seria selvagam?

  • Comentário feito por:mll
  • 10 Março 2004

Investiguem, investiguem, mas CUIDADO, para não estragarem o que a Natureza dá. LEMBREM-SE de que a Natureza é MÃE, mas pode ser "madrasta" se não for acautelada.
Mirandela

  • Comentário feito por:Victor C
  • 10 Março 2004

Pena que a notícia não entre no campo técnico dos nutrientes deste tubérculo, para ficarmos a saber o porquê dos resultados positivos. Ao sr.Luis Magaço, que está tão escandalizado com a palavra "selvagem" escrita no artigo, ela apenas quer dizer que esta batata nasce cresce espontâneamente, sem a mão do homem.É só uma questão de português!

COMENTAR
Título
Texto

Nota: Os comentários deste site são publicados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. O Correio da Manhã reserva-se ao direito de apagar os comentários abusivos e com linguagem inadequada.

Aparecer como anónimo - Ao escolher opção os seus dados (nome e e-mail) serão ocultados.

LOGIN
Utilizador
Password

Esqueceu-se da palavra-chave?

Registe-se


Registe-se no site do CM para deixar de preencher os seus dados pessoais quando comenta as noticias.

COMENTAR
Título
Texto
Nome
Email
Localidade
Anónimo

Nota: Os comentários deste site são publicados são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. O Correio da Manhã reserva-se ao direito de apagar os comentários abusivos e com linguagem inadequada.

Aparecer como anónimo - Ao escolher opção os seus dados (nome e e-mail) serão ocultados.


Pub
Pub


SONDAGEM

TAXA NA SAÚDE: Tema revela que o Governo não se entende?

Votar »« Ver resultados


<>
VEJA AQUI MAPA ACTUALIZADO
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados. É expressamente proíbida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte,
sem prévia permissão por escrito da Presslivre, S.A. ,
uma empresa Cofina Media - Grupo Cofina.
Consulte as condições legais de utilização.