Foto João Miguel Rodrigues
David Rebordão e Tino Navarro realizaram 'RPG', o filme português de ficção científica que estreia esta quinta-feira nas salas de cinema nacionais
A notícia foi guardada na sua lista de notícias favoritas. Faça a gestão dessa área na sua conta.
29.08.2013  01:00
Tino Navarro: “Não podia deixar que os ricos ganhassem”

É um filme de ficção científica ‘made in Portugal’. Num futuro mais ou menos longínquo, os ricos vão poder comprar corpos jovens, para viver mais tempo. Rutger Hauer é estrela maior deste filme de Tino Navarro e David Rebordão, ao lado de estrelas nacionais como Soraia Chaves, Débora Monteiro, Victória Guerra e Pedro Granger.

Correio da Manhã – Parece estar a assistir-se a um renascimento do cinema português, cada vez mais visível, cada vez mais internacional, como o prova o seu filme, ‘RPG’?

Tino Navarro – O cinema português está a nascer todos os dias. Infelizmente, é a isso que somos forçados, pela força das circunstâncias. Melhor era ter uma estrutura que funcionasse continuamente, que criasse emprego, que criasse hábitos de acesso aos filmes portugueses. O ideal seria ter uma produção diversificada, que abrangesse vários públicos. Infelizmente, porque as estruturas não estão criadas no nosso País, temos de renascer todos os dias. Das cinzas.

– Recorrer a estrelas internacionais, como fez neste seu trabalho, ajuda muito à divulgação do filme no mercado internacional?

– Um conjunto de circunstâncias tornou possível que um filme com um orçamento normal, de um milhão e 200 mil euros (e eu já os fiz mais caros, em Portugal), conseguisse atrair vedetas como o Rutger Hauer e o Chris Tashima, entre outros. Mas isso só foi possível porque eles adoraram o guião e dispuseram-se a trabalhar por tuta e meia.

– A história é do mais atual: um grupo de milionários decide comprar juventude. Compram corpos, de pessoas jovens…

– Tem tudo a ver com os dias de hoje. Com a maneira como a sociedade está a evoluir, como o mercado está a dominar tudo e todos. A ação acontece no futuro, onde a última fronteira será ultrapassada. Ou seja, a da vida e da morte. A vida e a morte também estarão no mercado e infelizmente, haverá muita gente disposta a vender a vida a troco de dinheiro; e poucos, muito ricos e poderosos, que a poderão comprar. Tal como hoje já se compra a saúde.

- Mas o filme não tem um final assim tão desprovido de esperança…

- Claro que eu não podia deixar que os ricos ganhassem. Criei uma surpresa para o fim, que espero que o público goste.

- Que impacto acha que vai ter este trabalho junto do público?

- Não faço ideia. Sei que foi um processo de pós-produção muito complicado, porque o filme tem muitos efeitos especiais, e foi uma loucura. A minha única preocupação era torna-lo disponível para o público português e só depois pensar nos mercados internacionais.

- Como foi dirigir o Rutger Hauer?

- Fantástico. Tivemos imensa sorte. Ele fez questão de entrar no filme, tanto que interrompeu a rodagem de outro filme, em África, para vir filmar connosco. Foi um privilégio.

Enviar o artigo: Tino Navarro: “Não podia deixar que os ricos ganhassem”
Comentários
enviar
MAIS NOTÍCIAS DE Cultura